quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Vida na gangorra


Assim como andar de gangorra, a vida não foi feita para se estar a sós.
As vezes estamos em cima, com os pés fora do chão.
Em outras sentado bem perto da terra.
Não importa em qual das posições, sempre estamos olhando para a outra ponta, para os outros olhos.

Enquanto um alavanca para subir o parceiro espera o momento do frio na barriga de chegar ao topo e 
logo alavanca para que a outra ponta suba e gere a mesma euforia.

Porém o mais importante de se andar de gangorra é o momento aonde as pontas passam uma pela outra, a hora em que ambos tem os pés no chão e os olhos nos olhos.

O momento em que os corpos são cúmplices, aonde no silencio dos olhares e sorrisos ansiosos e temerosos se estabelecem as regras e a velocidade que a gangorra vai balançar. 



Nenhum comentário: