quinta-feira, 21 de abril de 2016

Superfície mais clara

A boca do meu estômago formigava
A sensibilidade fugia e se intensificava nos meus dedos trêmulos até minha cabeça agitada

Lá fora fazia frio e tocava uma música simples, simples assim como calçar sapatos, escolher uma camiseta e se encharcar de perfume.

Fui ao encontro dela...o primeiro encontro...

Ela veio até mim, vestia vermelho e era tão linda quanto ao vivo quanto pensava, a mulher mais linda em que eu já havia me relacionado.

Existia Tensão, segredo, desejo, confusão nas pupilas dilatadas do nosso primeiro olhar.

Não demorou o primeiro beijo. Meio atrapalhado, travado. Nunca fui muito bom neste tipo de primeiras aproximações mas acho que não fui tão mal.

Depois disso uma infinidade de carinhos, beijos, meses, mãos, conversas, danças, músicas, descobertas, semanas, brigas, acertos e todas as coisa que o tempo trás.

Mas não importa o tempo que for e o que tiver que mudar.

Na ânsia de nenhum carinho se perder, Guardarei o vento frio daquela noite, meu eu nervoso e seu olhar trêmulo na superfície mais clara da minha mente.

Para que eu nunca me esqueça da noite em que me apaixonei por você.