terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Logo vai amanhecer



Amores perfeitos mesmo com defeitos
Transbordam tesão

Enquanto te olho
Percorrendo com os dedos
seus suaves contornos
Me perco dançando no escuro
Na clara certeza que pertences a mim

Ponho sua  mão em mim
Arranhando com a barba mal feita seu corpo que arfa em silêncio
Na cama ao chão da cozinha
Das mãos a língua minha

Observo calmo seus olhos fecharem
As pernas se enrolarem, braços se perderem e sua boca, entre aberta pausar

Relaxo os corpos sua cabeça em meu ombro ofegando até em sono cair...

Pois logo vai amanhecer

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Sal, vento e tempestade

Mando embora pelas ondas o que me pesa

Espero passar no escuro molhado e salgado o gelado que me aflige o peito, o caroço que me tranca a garganta

As ondas batem no meu peito

Inundam as minhas costas
Salgam a boca

Gelam e limpam o meu corpo

Deixo o vento bater no rosto e
Procuro aonde está você dentro de mim

Tem gosto de chocolate, brilha como metal, arde como paixão e queima como desejo...como ciúme

Meus pensamentos flutuam a deriva, se afastam do farol e se encontram em meu ser

No meu oceano desconhecido
atingido pela tempestade que leva seu nome

sábado, 5 de dezembro de 2015

Profusão

Águas nervosas e perfumadas
Temperadas com você aninhada em meus braços

No amanhecer pelo vidro fumê
Seus pés sobre os meus
Sua mão percorrendo meu corpo

Na imensidão do sentir
Na profusão da paz branca e branda e cadenciada de um besouro branco pousado em seu  nariz sonolento