quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Casual


Às vezes me da saudade
Vezes vontade viver
Tem dias que quero correr
Em outros não paro de comer

Sou sabido, cientista, floreiro, atleta e até bagunceiro
Sou de tudo depende do caso
Depende da vida, do dia, do acaso

Segunda eu coloco gravata
Na terça batina e chapéu
Quarta feira, vampiro noturno
Na quinta, herói de papel
Sexta feira a noite é uma criança
No sábado, Dobok e luva
E domingo passou, meu bem

Sou sabido, cientista, floreiro, atleta e até bagunceiro
Sou de tudo, depende do caso
Depende da vida, do dia, do acaso

Eu critico a minha paciência
Não tolero desobediência
Minha cabeça não me obedece
Sou um filho do dia casado com a noite
Sou pai do criado mandado do acaso
Companheiro alistado
De quem puder me sorrir

2 comentários:

@NescauPower disse...

Junta um Sol, Fá e Sí menor e uma mia lua que fica perfeita!

Rafael Ilhescas disse...

Na real ela nasceu como música, mas não levei adiante. O legal é que toda vez que leio essa letra eu tenho vontade de trocar o verso do meio por coisas atuais de minha vida.